segunda-feira, junho 25, 2012

Traduzir-se

Eu ia dizer que hoje estou assim, mas isto seria uma mentira. Eu SOU assim, e Ferreira Gullar traduziu-me muito bem!

TRADUZIR-SE

Uma parte de mim
é todo mundo:
outra parte é ninguém:
fundo sem fundo.

uma parte de mim
é multidão:
outra parte estranheza
e solidão.

Uma parte de mim
pesa, pondera:
outra parte
delira.

Uma parte de mim
é permanente:
outra parte
se sabe de repente.

Uma parte de mim
é só vertigem:
outra parte,
linguagem.

Traduzir-se uma parte
na outra parte
- que é uma questão
de vida ou morte -
será arte?

2 comentários:

Fábio Betti disse...

Pensando na pergunta que o Ferreira deixa no final dessa poesia, eu diria que é arte, sim, arte de viver. Sinto que a única forma possível de se viver inteiro é aceitando tudo o que é aparentemente paradoxal em nós como parte inseparável de nós. Aos poucos, talvez, sejamos capaz de entender que o que chamamos de opostos são, na realidade, complementares.

Mônica disse...

Sim, por isso, sempre gostei da parte em que ele escreve: "é uma questão de vida ou morte". O caminho de perceber a nós mesmos, nessa tentativa de integração/tradução, pra mim, sempre foi uma questão de vida ou morte! Sinto-me viva assim, na busca...

Postar um comentário

Compartilhe o que você pensa sobre o que acabou de ler! Ficarei feliz em podermos "conversar" um pouco!

Web Statistics